Categorias
Mente

Quero ser livre! Como me desprender?

Você pode estar se sentindo preso, acanhado na função atual, ou até mesmo pelas circunstâncias atuais. E eu te digo: isso passa!

Claro que para passar e se desprender você precisará agir, mas não é impossível, eu já fiz isso, mais de uma vez, e hoje vejo a vida de um ponto de vista bastante diferente da maioria das pessoas.

O desprendimento pode ser afetivo, financeiro, material de várias formas e estágios da nossa evolução. Para entrarmos em Flow (fluxo) é preciso que tenhamos o máximo de desprendimento. De nada adianta desenvolvermos os sentidos anteriores da confiança, da positividade e da visão se não conseguirmos nos desprendermos.

Conheço, e você também deve conhecer, muita gente que fala, fala, fala e na hora H faz exatamente o contrário. Diz que vibraciona amor o dia inteiro, e quando mais precisa parece o cão chupando manga em brados de fúria e cólera, que diz que não tem ciúmes e é desapegado, mas não pode ver o namorado(a) conversando com ninguém, muito menos aquela blusinha linda na irmã mais nova! O que fazer?

O primeiro passo para o desprendimento é a conscientização, e essa tem que se dar em três níveis:

  • Material
  • Emocional
  • Intelectual0

Quando você conseguir conceber que tudo aquilo que construímos e lutamos para nosso conforto é passageiro, terá se desprendido materialmente. Quando você entender que a relação com o outro é sempre temporária e necessita de identificação e verdade, você terá se desprendido emocionalmente. Quando você entender que o mundo tem muitas verdades, e que não importa o que você faça, não terá como ter todas, e aceitar a sua ignorância, terá se desprendido intelectualmente.

E como eu faço isso? Com exercícios. Ao identificar um sentimento negativo (e eles são os sintomas do aprisionamento), pergunte a si mesmo: “este sentimento me move ou me trava?”  “me liberta ou me aprisiona?”, e em seguida “com qual sentimento deveria substituir para ter maior desprendimento e liberdade?”.

Cuidado para não entrar na paranoia e querer fazer isso acontecer da noite para o dia, como todo exercício, vamos do mais simples ao mais complexo, conquistando um pouco por vez. Então, se prepare para a próxima vez que estiver numa situação assim para se fazer as três perguntas acima e se tiver passando por alguma situação que esteja te deixando ansioso, irritado ou qualquer outro sentimento negativo, já aproveite para iniciar o exercício!

Agora, vai que a liberdade é tua!

Te vejo por aqui, na próxima vez mais liberto!

Fonte: http://www.andrehubler.com.br/quero-ser-livre-como-me-desprender/

Categorias
Mente

Você tem visão?

Visão de Raio-x? Visão a laser? Muito além da curva do horizonte, vivem as ideias de quem tem visão. Essa competência que tem o nome associado ao sentido humano da visão, mas extrapola em imaginação, potencialidade e principalmente em resultados. Quase todo mundo acha que tem visão, que sabe “ver” as coisas como elas são. Mas essa competência vai muito além.

O escultor que tem visão, não vê a argila e em seguida imagina a peça pronta. Ele imagina a peça interagindo com as pessoas, imagina as reações que terão. Um poeta ao abrir seu caderno e ver uma folha em branco, se não tiver visão, verá o espaço pautado para a poesia, mas se tiver, verá a reação das pessoas, os casais se enamorando em consequência de suas palavras, suas feridas sarando ou seu amor sendo exaltado. Poetas e artistas quase sempre têm visão. Quase sempre, não sempre.

O administrador, o médico, o engenheiro, o vendedor, o empresário e até o síndico do seu prédio podem ser pessoas de visão, ou podem simplesmente não ser. Será que eles podem mudar? Pode o administrador encontrar uma ideia em outra área e transformá-la em ouro ao trazê-la de volta para o seu campo? Pode o cada um de nós ampliarmos a percepção e desenvolvermos novas soluções?

Podemos! Mas precisamos dos elementos anteriores que discutimos para levarmos essa visão à concretização. Os grandes visionários ao redor do mundo, aqueles que fizeram grandes descobertas e que mudaram nossa realidade, não apenas visualizaram possibilidades, eles às testaram, eles comprovaram, e eles persistiram na realização. É preciso sim ter confiança e positividade para alcançar uma visão.

Você não precisa ser um criativo no último nível da criatividade, só é preciso um pouco dela para despertar a consciência da visão. Deixe-me te ensinar duas perguntas que fazem com que a visão seja ampliada:

– O que posso eu com aquilo que vejo em minha frente?

– Se eu mudasse a forma de observar, o objeto mudaria? Se eu pensasse como um médico, um artista, um arquiteto, um marceneiro, o que eu veria neste objeto? ( e aqui a lista pode ser enorme de arquétipos profissionais)

São duas perguntas iniciais, atreladas a elas virão outras tantas, mas essas já são o começo. Para praticá-las é preciso iniciativa, colocar-se à disposição, desprender-se da realidade atual. Pensando em desprendimento, esse é o tópico do nosso próximo encontro.

Lembra, tu és capaz de mudanças incríveis na tua vida, apenas ajustando tua visão. Quando sentir que precisa de ajuda para o próximo passo, estou aqui para ser essa ajuda!

Até mais.

Publicado originalmente em: http://www.andrehubler.com.br/voce-tem-visao/

Categorias
Energia Mente

Você é realmente positivo? Teste-se!

Positividade, está todo mundo cansado de saber que se tem que pensar positivo! Lá vem gente falando do que já sei. Falar é fácil, queria ver esse discurso se tivesse passado pelo que eu passei. E mais, se conhecesse ela de verdade ia saber que não tem como ser positivo… Blasfêmias!

Esse parágrafo aí de cima garanto que já ouviu alguém falando dessa forma, eu particularmente, enchi o saco de gente chata, e de gente de disfarce positivo. Ser positivo é se entregar ao fluxo e colher o melhor… não ficar olhando a grama do vizinho achando que ele teve mais sorte, ou martirizando o próprio passado para justificar o presente e fugir do futuro. Ser positivo é mais que uma vibe, é um alinhamento de pensamento.

Talvez você já tenha lido Polyana, ou já tenha ouvido falar do mundo dela, onde as coisas são sempre vistas pelo lado positivo, e pode ser que como a maioria dos que se entregam para o seu próprio lado derrotado, pensou que era só mais um conto da carochinha tentando dar uma lição de moral mostrando o copo meio cheio.

Então, vamos falar desse copo meio cheio? Qual a moral dele? Porque eu tenho que me preocupar em ser positivo? Porque enxergar o céu azul quando está nublado? Se você se identificou com essa última pergunta, você com certeza ainda não é de pensamento predominantemente positivo, você é um negativista!

Te explico: essa é uma metáfora, simplesmente uma metáfora, e alguém pode tê-la visto como um engodo. Como ver luxo quando se olha para o lixo. E vou te dizer uma coisa, quem tem pensamento positivo pode realmente ver essa metáfora do lixo acontecendo de verdade.

A moral é que nosso sistema libera substâncias específicas em nosso corpo de acordo com o sentimento e associações que fazemos entre as coisas. Quanto mais negativas as experiências, mas substâncias tóxicas ou viciantes, quanto mais positivas, mais substâncias desse gênero. E um fato, nosso corpo irá buscar por aquelas que predominam, como se fosse um hábito/vício fazê-lo.

Quando você expande seu nível de consciência, tornando seu cérebro mais criativo, passa a despertar pensamentos e combinações que não experimentou antes. Ao fazer isso, você expande tanto o sentido de utilidade das coisas, como o sentimento por trás das relações. Ao forçar-se a ter condutas positivas, você vai aos poucos fazendo com que seu inconsciente tome o mesmo rumo, mas ele não vai instantaneamente para o lado Luz ou Sombra, ele precisa de tempo e de experiências, por isso não é possível transformar-se radicalmente do dia para  a noite.

Ao ter uma consciência mais expandida, e também com o foco positivo, você passa a agir pró-solução, e uma mente pró-solução passa a resolver problemas, e não a cria-los. E essa é a principal diferença entre os comportamentos predominantemente positivos e os predominantemente negativos: criação x destruição. Aos poucos essa metáfora vai ficando cada vez mais clara.

Comece observando seus pensamentos, se eles se concretizassem, as coisas ao seu redor progrediriam para o maior número de pessoas? Se eles se concretizassem, algum projeto iria pelo cano ou somente você cresceria? A resposta sim ao primeiro questionamento te leva ao positivo, o sim na segunda resposta de leva ao negativo. Está pronto para começar a analisar sua forma de pensar? Então responda aos cinco questionamentos abaixo:

  • Seus pensamentos comumente ferem a você ou aos outros?
  • Sua vontade na maioria das vezes é de que os outros sumam?
  • A culpa do que acontece na sua vida é exclusivamente dos outros?
  • Se não fossem coisas que aconteceram no seu passado, hoje sua vida estaria em um lugar completamente melhor?
  • Você preferiria não ter que pensar sobre si mesmo em um nível emocional?

Se você respondeu sim a alguma dessas perguntas, significa que está na hora de rever sua forma de ver o mundo. Fique atento as suas ações e aos seus pensamentos, eles devem de forma geral:

– Não ferir a você nem aos outros propositadamente;

– Construir novas possibilidade e rotinas positivas;

– Trazer mais esperança;

– Fazer com que você tenha confiança e assertividade;

– Trazer soluções para o mundo material.

Precisando de ajuda com algum desses tópicos, converse com a gente! Estamos aqui para te ajudar.

Até mais!

Fonte: http://www.andrehubler.com.br/voce-e-realmente-positivo-teste-se/

Categorias
Mente

Confiança – Como construir?

Confiança é igual distribuição de renda, poucos tem muita e muitos têm muito pouca. Não vamos dizer que é assim mesmo, que assim que deve ser, que são coisas da vida, que as pessoas nascem assim mesmo, que faz parte da essência. Por favor, chega de mimimi e autossabotagem, de jogar a culpa no meio, na criação, nos pais ou na situação do país. Confiança é uma competência, e competências a gente desenvolve.

Mas como fazer com que esse misto de experiência, com fé e coragem se torne confiança? Como dizer para aquela voz na mente que insiste em dizer “não vai dar certo” calar a boca? Tem dois caminhos, simplesmente manda-la calar a boca como fazem os heróis do cinema em frente ao perigo, naquele momento crucial em que o sensei lhes vem à cabeça e todo o treinamento ou desventuras que superou anteriormente passam como um flashback aos olhos de quem admira uma superprodução no conforto de sua cadeira. É, momentos assim acontecem, mas antes deles existe trabalho duro e muitos passos de bebê.

Aqueles pequenos detalhes que vão ensinando nosso inconsciente a programar respostas mais criativas e principalmente a construir confiança. Eles são nossa experiencia. E precisamos de experiencias de sucesso, mesmo que pequenas para irmos a diante. Então, cuidado com passos muito grandes, o insucesso deles pode te deixar traumatizado e o sucesso, imprudente. Misture pequenas coisas, mesmo que você acredite que está destinado a grandes conquistas.

A fé? Como ela vem? É preciso ter fé para avançar dia após dia, mas como construir esse elemento importante da confiança? Se você pulou o que te disse anteriormente, então não verá as coisas acontecerem para você e consequentemente não ensinará seu inconsciente que você sabe o que está fazendo. Você precisa agregar conhecimento para ter fé. Precisa conhecer as possibilidades, outras histórias e a sua própria. Conheço pessoas que não tem fé por viverem presas no passado ou esperando o futuro e esquecem de observar as conquistas do presente. É como se o controle remoto da tv de algumas pessoas ficasse no avançar ou no retroceder o tempo todo, e por mais que apertem o play ou o pause o controle não responde mais, pois a máquina inconsciente já se habituou à tarefa que executa. Portanto, para ter fé, é preciso praticar a presença.

E a coragem? Passou pelos outros pontos? Fez o que deveria fazer? Então ela vem naturalmente, exceto se você não tiver a razão correta ou a motivação certa. E quem determina isso? Seu inconsciente! É ele quem estipula os filtros e as direções a tomar, é o depósito de experiências que temos que pede por mais experiências semelhantes. Ao tomarmos ciência do que realmente queremos, e o queremos como precisamos de ar para respirar, a coragem surge. Ela não vai afastar o medo nem nada assim, o medo ainda existe para nos preservar, mas nos fará agir ao invés de congelar.

Então, queres uma receita simples para construir confiança? Faça, refaça, divida os passos em passos pequenos, comemore cada conquista, viva no presente e principalmente cultive sua fé e sua coragem. Dessa forma, mesmo que demore um pouco, tenho certeza de que a confiança virá. E se faltar alguma coisa? Faça como os grandes líderes, cerque-se de bons conselheiros. Precisando, estou aqui pra te ajudar!

Amanhã eu volto para falarmos de positividade…. até lá….

Fonte: http://www.andrehubler.com.br/confianca-como-construir/

Categorias
Mente

Felix Felicis – A poção da sorte

Ontem aconteceu uma coisa que eu preciso partilhar. O segredo da vida? Da existência? Não, esse cada um tem o seu. Descobri como acessar meu modo Felix Felicis. Se você não leu nem assistiu Harry Poter e o Enigma do Príncipe, eu te explico!

No filme Harry toma uma poção, que o deixa sortudo, o segredo dela é que quem a toma consegue o que quer. O mais interessante no filme é que o Harry parece navegar nas vontades dele, como se lesse em linhas tortas os acontecimentos futuros.

Bom, a boa e a má notícia é que ainda não conheci uma poção capaz de nos trazer tal estado, aqui longe da realidade ficcional de Harry Potter, mas identifiquei o estado de conexão com os mesmos sintomas da poção. Legal né? Muito, só que bastante difícil de conseguir.

Primeiro você precisa estar otimista, ver o lado bom das coisas e da vida, segundo precisa se conectar com a consciência universal, terceiro e mais difícil acreditar nos seus instintos. Nem todo mundo vem com um detector de intuição apurado, mas todos temos. Algumas vezes erramos porque queremos o que queremos e não permitimos ir atrás surfando na onda da consciência universal, o FLUXO.

Imagine que aquele estado de fluxo que entramos no processo criativo pudesse ser maximizado para a vida? Imagine como se o pensamento fosse um grão, uma pequena pérola no centro do cérebro. Agora imagine que esse grão pudesse se expandir usando energia do ambiente, visível e invisível. Agora imagine que tudo isso gera uma grande bolha ao seu redor, e instantaneamente você sente a onda do fluxo levando a bolha para navegar.

Se você for contra o fluxo de energia, poderá estourar a bolha energética, se você relaxar e deixar fluir, você navega sobre um oceano de realidade. Para ampliar essa capacidade são necessárias cinco competências:

  • Confiança
  • Positividade
  • Visão
  • Desprendimento
  • Ego Universal

Quer saber mais sobre isso? Deixa nos teus comentários as perguntas, dúvidas e sugestões. Amanhã eu volto para contar como foi o MOMENTUM desse estado emocional e energético!

Até mais….

Originalmente Publicado em: http://www.andrehubler.com.br/felix-felicis-a-pocao-da-sorte/

Categorias
Mente

Como aproveitar melhor a Energia do Feriado Farroupilha para renovar as energias?

Sabia que você pode aproveitar a energia do Feriado Farroupilha? Não?! Então te explico como.

O Feriado do dia 20 de setembro, no Rio Grande do Sul, celebra a Revolução Farroupilha. A data de 20 de setembro de 1835 marca a ruptura com o governo central e início da guerra, com a tomada de Porto Alegre e a destituição do então presidente provincial Antônio Rodrigues Fernandes Braga. Nesse dia, atualmente, por todo o estado e onde estiverem os gaúchos, celebra-se o orgulho e as tradições do Rio Grande.

Notasse que esse é um feriado que tem como característica três energias: Orgulho, Ruptura e Encerramento. E são essas as energias que podem ser aproveitadas no dia 20. Ainda mais se você aproveitar ao máximo a energia deste ano que é a Energia do 3 (20 + 09 +2017 = somados todos os algarismos até reduzir a 3).

O três é a energia da comunicação, da expansão. Então esse é um dia especial para realizar encerramentos e rupturas por meio do diálogo ou da conversa. E ainda melhor, aproveite que no dia 21, temos a energia disponível do ciclo da primavera, que representa o retorno da fertilidade.

Saca como é importante estar preparado para encerrar ciclos neste dia 20 e iniciar coisas novas no dia 21?

Então prepare-se, aproveite, viva e comemore o 20 de setembro com o pensamento de RENOVAÇÃO!

Categorias
Energia Mente

5 dicas para turbinar a sua felicidade!

Parece estranho, e talvez você nunca tenha parado para pensar nisso, mas a sua semana é a sua vida. Nossa mente usa a sensação do presente e o lastro do passado para nos dar a sensação de tristeza ou felicidade. Simples mudanças e rituais ao longo da semana podem fazer com que cada vez mais tenhamos a sensação de uma vida plena e feliz.

Ok, isso não vai fazer você ser feliz 24 horas por dia o tempo todo, até porque isso não existe, mas irá te ajudar a cada vez mais amadurecer nesse sentido. Separei algumas dicas simples para que você tenha cada vez mais harmonia e felicidade na sua vida:

1º – Tenha um ritual antes de ir dormir.

É importante que você tenha um ritual de relaxamento, isso faz com que a qualidade do seu sono aumente e também faz com que você possa prestar atenção a outras coisas na vida. Coisas simples como cuidar do corpo e do rosto, com rituais de limpeza e hidratação já ajudam muito. Acrescentar um momento de meditação ou um belo chá relaxante aumenta ainda mais o gradiente de relaxamento.

2º – Faça exercícios ao menos 2 vezes na semana.

Realizar atividades físicas aumenta os níveis de endorfinas no corpo. Elas são substâncias bioquímicas analgésicas, ou seja, analgésico natural, que tem a sua produção no nosso corpo potencializada com as atividades físicas. A endorfina ajuda a aliviar a dor e ainda regula as nossas emoções. Com emoções reguladas você consegue saber melhor o que é realmente problema e o que é mimimi do seu inconsciente.

3º – Medite sobre seus ganhos e perdas ao menos 1 vez na semana

Pare para pensar nos aprendizados que teve nessa semana, sobre os conhecimentos e materiais que acumulou ou perdeu. Isso ajuda a manter a mente em ordem e também a ter uma noção mais clara sobre a passagem do tempo.

4º – Planeje a diversão

Pode ser que você já tenha planejado algo e mesmo assim não tenha dado certo. Mas os números estão mais a favor de quem planeja. São 85% mais assertivos os eventos planejados do que os não planejados. Então planeje a sua diversão. Uma festa, uma saída para um parque, um bate-papo com amigos. Ao menos um turno na sua semana precisa ser direcionado para a diversão. Quanto mais intensa, mais duradoura a sensação de felicidade que ela traz.

5º – Se olhe mais no espelho ou faça mais selfies

O ato de criar auto identificação com a própria imagem traz mais felicidade e segurança no dia a dia. Criar hábitos de se observar por ao menos 5 minutos por dia, pensando nas alegrias ou nos planos futuros ajuda a fixar na mente esse aspecto de relação entre você e a felicidade.

Simples né? 5 dicas que podem revolucionar a sua vida. Estás na dúvida? Faça por ao menos 2 semanas e tu já notarás a diferença. Antes de começar crie um indicador de eficiência ou de felicidade e o mantenha atualizado ao menos 2 vezes na semana. E depois faça a comparação!

Precisando de ajuda para turbinar ainda mais a vida e a semana? A gente te ajuda, marque uma sessão gratuita de alinhamento de Coaching e entenda como essa técnica pode revolucionar o seu estilo de vida!

Categorias
Coaching Mente

Tá difícil se fazer entender?

Falar é fácil, quero ver se fazer entender! Essa frase você já deve ter ouvido de outra forma, mas modifiquei de propósito mesmo. O que mais escuto dos meus clientes é “eu falei, mas eles não fazem” ou “eu disse, mas ninguém ouviu”.

Para evitar o mar de lamúrias e irmos direto à solução, te apresento uma forma fácil de comunicar e envolver as pessoas naquilo que é necessário que seja feito. Antes de tudo, você precisará entender que existem momentos certos para as falas e assuntos certos. Você não discute relação no shopping, e também não fala de finanças na cama. Tudo tem hora e lugar. Então vamos aos nossos pontos do que você deve fazer na hora de solicitar algo a alguém:

  • Deixe clara a situação atual. Fazer entender a situação atual é muito importante para gerar empatia com as pessoas às quais você dialoga. Seja para pedir algo a um colega de trabalho, seja para pedir algo a alguém da sua família, a pessoa precisa estar por dentro do contexto. Certifique-se de que ela está.
  • Demonstre seus sentimentos acerca da situação. Por vezes dialogamos com pessoas que são mais ou menos empáticas, por isso é importante demonstrar como a situação o afeta.
  • O que precisa ser feito. Informe as necessidades do momento, demonstre a solução necessária ao cenário que você se encontra.
  • Diga o que você espera da pessoa. Demonstre de forma clara e direta o que ela precisa fazer, evite rodeios ou indiretas.
  • Informe o que a pessoa ganhará com a realização da tarefa. O ganho pode estar condicionado a uma situação futura, a um status, a um envolvimento do grupo.

Por exemplo, você sai de férias, e no retorno encontra seu filho adolescente, que ficou em casa, com o quarto todo desarrumado e com a sala tendo virado a extensão do quarto! O que fazer?! Primeiro, por mais óbvio que seja, informe (sem ironia) a situação atual, e lembre-se: faça isso no momento adequado, evite pessoas estranhas ou que possam apoiar o lado errado da situação.

“Vi que seu quarto está desarrumado e que na sala tem diversas das tuas coisas”. Agora, demonstre seus sentimentos. “Isso me chateia, pois vejo que você ainda não consegue ficar sozinho e manter a organização. ”

Dito isso, informe o que precisa ser feito. “Preciso que teu quarto e a sala estejam arrumados até amanhã à noite”. Veja que informamos um prazo, eles são importantes em todos os diálogos, e exercer a autoridade de sensor do prazo é importante. Agora diga o que você espera da pessoa: “Espero que além de guardar, você organize de forma mais prática e visualize onde cada coisa fica, para na próxima vez evitar de ter que guardar tudo novamente.” E por último informe o que a pessoa ganha com isso: “Assim que você finalizar, vai evitar que tenhamos uma discussão maior, e que eu fique irritado, e nas próximas vezes poderei sair mais tranquilamente, o que fará com que você tenha mais liberdade dentro de casa.”

Simples?! Sim, mas requer prática. Comece com coisas pequenas, faça pequenos testes destes 5 elementos no seu dia a dia. E verifique o seu funcionamento.

Tudo tem hora e lugar. Esse você já entendeu, espero que sim! É preciso saber a hora de falar sobre cada assunto, mas cuidado para não usar isso como desculpa para evitar o diálogo.

Caso esteja difícil, nós podemos te ajudar a transformar ainda mais essa realidade, tanto o Coaching quanto a Terapia Cocriacional Z te dão ferramentas para melhorar a realidade comunicacional e permitir que você se faça entender.

 

Categorias
Blog Mente

As três consciências – o Eu, o Outro e o Material

Aquele ou aquela ali do teu lado tem mais consciência que você? Mais maturidade? Nossa sociedade insiste em dizer que meninas crescem mais rápido do que meninos, eu digo “haammm?” Em qual universo isso acontece?

Quando fazemos essa afirmação estamos esquecendo que somos regidos por três consciências, e que estas têm grupos de maturidade diferentes. Pode alguém evoluir em função do EU, mas não em relação ao outro e ao material? Claro que pode. E cada um de nós, meninos e meninas, vamos evoluindo de acordo com as experiências que vivemos.

Nossos sentidos traduzem o mundo para nós, e essa tradução, vai ativando a reação em cadeia que surge na nossa primeira consciência, o EU, nos nossos primeiros anos da infância, vai se alastrando até o nosso último suspiro.

A consciência do EU, fala da nossa intelectualidade, da nossa capacidade e competências e também do nosso corpo. Só para esta consciência há diversos estágios de maturidade, imagine para as demais!

Entender quem sou EU, qual a minha relação com os OUTROS e com o mundo MATERIAL realmente não é tarefa do dia para a noite, mas pode sim ser acelerada ou calibrada.

Como assim? Nós sofremos cada vez que encontramos ou nos deparamos com uma dessas consciências não estando preparada para a realidade (tempo, espaço e a presença dos outros). E é esse sofrimento que precisamos reduzir, a isso damos o nome de amadurecimento.

Não somos como frutos que apenas o tempo nos amadurece, precisamos trilhar grandes jornadas em busca de conhecimento. Aqueles que passaram por dores da existência evoluem o EU, aqueles que se adaptam na sociedade evoluem o OUTRO, e aqueles que tem sucesso no mundo evoluem o MATERIAL.

Quantas pessoas você conhece que voltaram diferente depois de um mochilão ou um período junto a outras culturas? E que perderam alguma coisa de valor? Ou que sofreram um trauma?

É possível encontrar dois caminhos para a evolução e libertação de cada uma dessas três consciências, o caminho da dor e o caminho do amor. O primeiro é reativo, bastasse viver no mundo, o segundo é proativo, é preciso estar se preparando constantemente para ele.

Ninguém poderá ajudar quando o caminho da Dor é escolhido, o caminho reativo, pois o sujeito não evolui suficientemente para entender a maturidade da responsabilização. Já no segundo caminho, o caminho proativo, podemos encontrar diversas pessoas que nos dão a mão.

Muitas vezes ouvi dos clientes de terapia e coaching que não conseguiriam sozinhos, que é difícil. É por isso que a terapia Cocriacional Z trabalha justamente o caminho proativo do amor, da ação, da mudança do mundo interior e exterior, permitindo que cada uma das três consciências evolua.

Vamos crescer mais? Conversa comigo, marque uma sessão de Terapia Cocriacional Z e vamos ser felizes!

Categorias
Blog

MEDO: Como me livro dele?

Ah, o medo. Este vilão, que te impede de prosseguir. Que te provoca palpitação e falta de ar. Que faz as tuas mãos suarem e te dá náuseas. Quem aqui pode dizer que nunca sentiu medo de alguma coisa?

Diariamente ouço dos meus clientes de Terapia Energética que se não houvesse o medo, todos os seus problemas estariam resolvidos. Mas será mesmo? Será que alguém conseguiria sobreviver muito tempo sem sentir medo?

Afinal de contas, o medo é inerente ao ser humano. Ele faz parte de um instinto de sobrevivência, que nos prepara para lutar ou para fugir. Sem essa injeção hormonal provocada pelo sistema do medo, não iríamos conseguir agilizar nosso complexo mecanismo cerebral para tomarmos decisões rápidas. Daí muitos podem pensar: “Que ótimo! O mundo seria mais calmo.”

Mas num planeta de dualidade como o nosso, sempre existe o outro lado da moeda. Em situações de risco, se não pudermos tomar decisões rapidamente, o índice de mortalidade aumentaria consideravelmente.

Você não consegue se livrar do medo, isto é fato. Porém, você pode treinar seu cérebro para que o medo não seja mais um empecilho na sua vida, para que ele não trave mais as suas ações.

“E como eu faço isso?”

Não existe uma receita de bolo. Tudo vai depender da forma como você interage com a realidade a sua volta. Existem exercícios respiratórios, exercícios de meditação, magias, simpatias, hipnoses… A gama de ferramentas que podem te auxiliar é grande.

Quer descobrir quais delas funcionam melhor com você?

Nós podemos te ajudar! Agende seu horário de Terapia Energética e embarque comigo nesta jornada rumo ao autoconhecimento 😉

Namastê!

Categorias
Blog

Afinal, o que é Coaching?

Essa é uma boa pergunta para se responder! Hoje esse tema tem sido cada vez mais abordado, e é preciso conhecê-lo bem para aproveitar as vantagens dessa técnica que revoluciona o processo de desenvolvimento humano.

Como tudo que queremos conhecer, é preciso também o que não é o Coaching. E esse é o primeiro caminho da nossa resposta. Existem muitas técnicas que são confundidas com o processo de coaching e muitas outras que são apropriadas por este para ampliação dos resultados.

Para que você tenha resultados é preciso ter consciência (Entender, Querer e Fazer), e essa é uma das premissas desse processo, e o que lhe distanciará de outros, como o mentoring, a terapia, e outras formas de acompanhamento terapêutico. Por tanto o coaching não é:

  • Plano de vendas e metas (apesar de esta ser uma das ações realizadas pelo Coachee – cliente de coaching – o foco é mais amplo do que este, pois promove transformações comportamentais que podem ser perenes e ir além das metas estabelecidas )
  • Sessão de terapia ou análise ( pois tem um período definido de início e fim no processo);
  • Caminho para Marketing Multinível (apesar de encontrarmos o termo em redes multinível, é preciso a especialização e o formato específico de sessão e progresso para definir o processo como um processo de coaching, normalmente estes projetos apresentam um caminho pré-formatado distante do coaching)
  • Palestra Motivacional (O coaching precisa motivar, mas antes de tudo propiciar ao coachee o aprendizado do comportamento, espaço para teste, portanto depende do empenho do cliente que deve testar-se diferente de projetos emocionais em que apenas leves reflexões são geradas)
  • Processo de condução ou transferência (Um processo de condução por um caminho que obteve sucesso por outros ou por transferir o conhecimento obtido anteriormente como o que ocorre no processo de mentoring não é coaching)
  • Sessão para relaxamento (Se você domina as competências necessárias para alcançar suas metas ou viver plenamente você entra em estados menos estressados e mais relaxados, mas essa é uma consequência do processo, não seu fim)
  • Entre outras atividades não pragmáticas – ferramentas isoladas como o uso do tradicional 5w2h ou um plano de metas não fazem a totalidade do processo, mas elementos que não o levem à ação estão distantes da prática de coaching.

E então,  o que é coaching?

Para que o processo de coaching seja genuíno ele precisará ter algumas premissas que apresentamos sem seguida. É importante lembrar a origem do termo:

Coaching é uma palavra que existe desde a idade média, quando era utilizada para descrever o condutor de carruagens. Esses profissionais eram chamados de cocheiros, ou aquele que conduz o coche — que era como se chamavam as carruagens. Os cocheiros eram os profissionais que conduziam os passageiros até o destino desejado.

Por volta de 1850, o termo passou a ser atribuído a professores e mestres de universidades com o significado de tutor, a pessoa responsável por auxiliar os estudantes na preparação de testes e exames. Na essência, o termo ainda tinha o mesmo significado: de pessoa que conduz seu passageiro para o local desejado.

Em 1950, o termo “coach” foi utilizado pela primeira vez para fazer referência à habilidade de gerenciamento de pessoas. Foi aí que surgiram as primeiras técnicas de desenvolvimento pessoal e humano, valorizando as competências individuais e relaciona-as a um processo de evolução contínua.”

Algumas das premissas para o processo de coaching:

Início e fim definidos – Com o entendimento mais claro, podemos definir que para o planejamento efetivo de um bom programa de intervenção em Coaching, o mesmo deverá ter início e fim bem pautados, bem como a construção de indicadores de eficácia que deem suporte ao caminho escolhido pelo Coach e trilhado pelo Coachee. A realização deste processo não é garantia de sucesso, mas um passo importante na condução do mesmo. Todo bom planejamento deverá permitir que sejam realizadas as seis atitudes que precisamos encontrar  no Coaching:

  1. Imergir;
  2. Planejar;
  3. Conduzir;
  4. Promover espaço de teste;
  5. Medir;
  6. Motivar e ajudar.

PLANEJAR E APLICAR – Primeiro é preciso definir quais são os objetivos na utilização da técnica Coaching. Nesse sentido, para que possamos ter balizados nossos objetivos durante e após a intervenção, consideremos que são os seguintes pontos em que o cliente de coaching terá sua experiência:

  1. Identificar a necessidade de melhorar/mudar;
  2. Observar e reunir evidências;
  3. Motivar para determinar e apropriar-se de metas de evolução pessoal;
  4. Ajudar a planejar como alcançar essas metas;
  5. Criar oportunidades para praticar as habilidades desejadas;
  6. Observar ações e oferecer feedback objetivo;
  7. Ajudar a superar contratempos.

Estrutura de sessão – A estrutura de sessão bem como o acompanhamento do Coachee – cliente de coaching – deverá ter uma lógica bem estruturada:

  • Coleta de informações (modelos de análise comportamental, reunião de alinhamento, reunião de equipe, relatórios de rh)
  • Definição de Modelo de Diálogo em Coaching
  • Definição do tempo (número de sessões e duração)
  • Escolha de ferramentas e tecnologias
  • Estar preparado para ajustes de curso
  • Indicadores, sistemas e controle

 

Caminho para independência – O processo de coaching deverá permitir que o coachee caminhe de forma independente sobre metas semelhantes ou na repetição das situações em que ele teve o coaching como auxílio. É importante que o cliente não entre em um plano sem fim, dessa forma não estará mais fazendo coaching.

Categorias
Blog

“O último a chegar é mulher do padre!”

Se a gente vivesse com isso na cabeça, e repetisse com todo entusiasmo e veracidade da infância, seríamos pessoas muito melhores.

Ninguém se atrasaria para almoço, encontro ou entrevista de emprego. Ninguém estudaria pouco ou leria menos ou deixaria de sair com um amigo.

Faríamos tudo com a obstinação orgulhosa de não chegar por último, de não ser a mulher do padre, de não fracassar numa disputa súbita e divertida.

Não há, no mundo, alguém que corra mais do que a infância do “o último a chegar é mulher do padre!”.

Frases que tomam as ruas – e o mundo – como “Mais amor, por favor”, “Sorria. Você está sendo filmado”, “Ou soma, ou some”, nem de longe têm a força daquela frase repetida, quase que diariamente, por ordas de meninos e meninas de 10 anos de infância.

Era lindo, colorido e sincero o tempo do “o último a chegar é mulher do padre!”

Quem terminasse a tarefa por último era mulher do padre.

Então, a gente estudava mais.

Quem terminasse de comer por último era mulher do padre.

Sem desperdício, comíamos tudo que tinha no prato.

Quem chegasse por último era mulher do padre.

Vencíamos asmas, dores nos pés, medos de escuro para aprender que: os penúltimos são grandes campeões.

E não se engane: a infância do “o último a chegar é mulher do padre” era de respeito. Ninguém passava por cima de ninguém, afinal, o que importava não era ser o primeiro, mas sim não ser o último.

Enquanto o último, embora momentaneamente derrotado, sabia que, cedo ou tarde, alguém seria, também, o último.

Todos, em comunhão, foram “últimos” em alguma coisa, em algum momento.

Éramos, então, iguais.

Além disso, resistimos, bravamente, aos anseios descabidos da preguiça e aprendemos, ali, a grande metáfora da vida: é preciso correr para alcançar.

Hoje, ainda corremos. Buscamos, lutamos, fazemos de tudo para alcançar. Mas andamos cansados demais, fáceis demais, fracos demais. Talvez falte alguém, qualquer pessoa, para estufar o peito em meio ao nada e gritar sem vergonha do próprio eco: “O último a chegar é mulher do padre”.

Não falta mais.

 

[fonte: osegredo.com.br]

Categorias
Blog

Reiki é indicado pelo Ministério da Saúde do Brasil

Novidade foi publicada no Diário Oficial da União. Musicoterapia, tratamento naturopático, tratamento osteopático e quiropraxia também foram incluídos.

Meditação, arteterapia e Reiki agora fazem parte dos procedimentos oferecidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS). A novidade foi publicada na sexta-feira, dia 13/01/2017, no Diário Oficial da União.

A portaria do Ministério da Saúde também inclui musicoterapia, tratamento naturopático, tratamento osteopático e tratamento quiroprático. Todas essas práticas integrativas passam agora a fazer parte da Tabela de Procedimentos do SUS na categoria de “ações de promoção e prevenção em saúde”.

O SUS já oferecia algumas opções de práticas integrativas como práticas corporais em medicina tradicional chinesa, terapia comunitária, dança circular, ioga, oficina de massagem, auriculoterapia, massoterapia e tratamento termal. Esses procedimentos continuam disponíveis.

Dra. Márcia Purceli fala da importância de práticas integrativas como meditação.

Entenda as novas práticas incluídas no SUS

  • Arteterapia: uso da arte como parte do processo terapêutico
  • Meditação: prática de concentração mental com o objetivo de harmonizar o estado de saúde
  • Musicoterapia: uso dos elementos da música – som, ritmo, melodia e harmonia – com propósito terapêutico
  • Tratamento naturopático: uso de recursos naturais para recuperação da saúde
  • Tratamento osteopático: terapia manual para problemas articulares e de tecidos
  • Tratamento quiroprático: prática de diagnóstico e terapia manipulativa contra problemas do sistema neuro-músculo-esquelético
  • Reiki: prática de imposição das mãos por meio de toque ou aproximação para estimular mecanismos naturais de recuperação da saúde

Fonte: Portal G1

Categorias
Blog Energia

Caminho para o Salto Quântico

Um salto quântico ocorre quando um elétron muda de camada em sua órbita ao redor do núcleo do átomo. Esse fenômeno requer um acúmulo específico de energia. Cada passo que você der nesse programa que estamos te propondo, fará com que a energia necessária para o salto seja realizada.

A cada dia, durante os 15 dias você irá receber uma chave para este salto quântico, liberadas uma a uma nos vídeos que estamos disponibilizando para você.

Como parte desse salto tem a intenção de elevar o gradiente energético da comunidade ao nosso entorno, enquanto você realiza seus 15 passos, nós realizamos os nossos. Dessa forma, criamos uma corrente de manipulação de energia.

Ao final dos 15 dias, o 16º Vídeo será liberado, com as instruções para você realizar o Salto e criar sua lista de desejos e projetos para 2017! Essa lista, será em termos de energia, completamente diferente de todas as que você já criou. Para acompanhar todos os detalhes, e ter acesso aos vídeos assim que são lançados, curta uma de nossas fanpages, os conteúdos deste projeto estão sendo lançados simultaneamente  na fanpage do Lado Zen e na Fanpage André Nogueira Hübler

Talvez você pergunte, por que não ter acesso aos 15 passos de uma vez só e depois realizar o 16º e pronto? Pois para realmente realizar uma transformação em sua vida, você precisa realizar os passos como estamos propondo. Dessa forma, você garante o acumulo de energia, pois precisa vivenciar o processo, não existe outro atalho, este é o Atalho.

Acompanhe, os passos são simples, mas a energia gerada será indescritível!  Caso você não inicie o processo junto com nosso lançamento, a única adaptação que você precisa fazer é iniciar pelo vídeo 1 no seu primeiro dia, e seguir a ordem sem pular, ok? Esperamos por você do outro lado da ponte, afinal, depois desse salto, sua dimensão energética irá mudar e seu poder de realização será transformado!

Namastê.

Vídeo 1:

Categorias
Blog Metafísica da Saúde

As doenças e sua explicação Metafísica e Emocional – GRIPE OU RESFRIADO

CONFUSÃO INTERIOR – DESPREPARO PARA LIDAR COM AS MUDANÇAS – FALTA DE CONFIANÇA NO NOVO

A rigor não existe na medicina uma doença chamada gripe. Esse termo é comum para designar um resfriado. O resfriado é um processo infeccioso das vias aéreas respiratórias superiores causado pelo vírus “influenza”. Esse vírus não se restringe ao nariz, difunde-se por toda a circulação, provocando cansaço, indisposição e fadiga muscular.
Os casos de gripe geralmente ocorrem durante algum tipo de mudança. Podem não ser transformações significativas, basta ser uma situação inusitada, em que você se atrapalha para adaptar-se a nova dinâmica, ou ainda a simples perspectiva de mudança que o deixa amedrontado.
A maior agravante nessas situações é o apego ao passado.
Isso impede que a pessoa se dedique ao novo, permanecendo ligada às atividades corriqueiras. Esse procedimento é desgastante para o físico e o mental, causando uma baixa resistência, e conseqüentemente torna-o vulnerável ao contágio da gripe.
Quando a gripe se instala em seu organismo, demonstra que você está atravessando ou acabou de passar por um período de muita confusão interior. Esse estado é um somatório de pequenas coisas com as quais você não tem habilidade para lidar. Acaba por atropelar-se, querendo resolver tudo ao mesmo tempo. Não consegue manter uma dinâmica coerente com sua capacidade, extrapola os limites e fica estressado.
Somados a isso tudo, existem também os palpites e as especulações dos outros, que atrapalham ainda mais, porque você se deixa afetar por insinuações negativas acerca de algo que já é difícil para ser resolvido, aumentando ainda mais sua confusão interior. As pessoas “gripáveis” ou constantemente afetadas pelo vírus da gripe são as que se contagiam facilmente com a negatividade alheia, gerando uma atmosfera de pessimismo e derrotismo. Seu despreparo e falta de habilidade em lidar com a situação é que as tornam vulneráveis aos outros e, conseqüentemente, ao contágio do vírus.
A gripe surge como a expressão do desejo inconsciente de fuga, é um álibi perfeito para você se afastar das situações desagradáveis e conflitantes do cotidiano. A enfermidade requer repouso. Ê a pausa de que você precisa mas não se permite dar. Até o apetite é acentuadamente reduzido, demonstrando sua dificuldade em aceitar os novos episódios da vida. No íntimo, você já está “cansado de tudo”, não quer mais nada, só um tempo para a sua “cabeça” e para se refazer física e emocionalmente.
Só assim para você se dedicar mais a si mesmo. De outra forma, não descansaria enquanto não estivesse tudo na mais perfeita ordem. É de praxe cuidar de tudo e de todos menos de si mesmo. Agora é sua vez. Mesmo querendo fazer muitas coisas, seu corpo não tem mais energia, exige repouso.
Não espere chegar a esse ponto para atender às solicitações do corpo. Respeite seus limites físicos e mentais. Saiba se desprender do velho e abraçar o novo, confiante de que será bem-sucedido.
Além dos casos individuais de gripe, existem fases em que ela se torna coletiva. Obviamente o contágio e os fatores climáticos favorecem a epidemia, no entanto não se pode negar os fatores internos de cada pessoa, haja vista existirem nessa mesma época crises que afetam a sociedade desencadeando o mecanismo interior, que determina a vulnerabilidade metafísica para a gripe. Trata-se de períodos em que o negativismo social torna-se contagiante. Isso ocorre em face de alguma transição social, política ou econômica, que provoca a instabilidade e, conseqüentemente, uma série de dúvidas, medos e incertezas na população.
Os sintomas da gripe, como espirro, tosse, etc., apontam mais elementos sobre o estado interno. Convém você consultá-los para compreender ainda mais os conflitos emocionais que causaram essa moléstia.

Trecho extraído do livro Metafísica da Saúde – volume 1, de Valcapelli & Gasparetto.

Categorias
Blog Metafísica da Saúde

As doenças e sua explicação Metafísica e Emocional – RINITE

ABALAR-SE PELAS CONFUSÕES DO AMBIENTE – NÃO SE PERMITIR ERRAR – ADOTAR UM COMPORTAMENTO EXEMPLAR

Inflamação da mucosa nasal, decorrente da ação de vírus, bactérias ou alérgenos.
Dentro de uma visão metafísica, a rinite está relacionada com o fato de a pessoa se abalar pela atmosfera do ambiente em que vive. Ela se irrita facilmente por qualquer coisa que acontece à sua volta, principalmente com a forma de os outros pensarem e agirem.
Numa fase de instabilidade financeira da família, atritos no lar e risco de separação dos pais, ocorre uma série de perturbações. Isso provoca medo e insegurança em relação ao futuro. Situações dessa natureza afetam qualquer pessoa. No entanto, aquele que tem rinite é quem mais sofre as conseqüências emocionais. A desestabilização interior reflete no corpo, tornando as fossas nasais vulneráveis às inflamações.
O isolamento é freqüente nas pessoas afetadas pela rinite. Elas geralmente não expressam o que sentem, fecham-se em seu mundo, demonstrando uma aparente indiferença ao que está acontecendo, quando, na verdade, a situação tempestuosa abala profundamente suas bases emocionais.
Geralmente se sentem culpados por tudo que acontece de ruim ao seu redor. E o caso, por exemplo, de uma criança cujos pais vivem em constantes atritos, sempre na eminência de uma separação, que só não ocorre por causa do filho. Ao sentir essa atmosfera, a criança se culpa pelos atritos dos pais. Não são todos os casos de rinite que estão associados à culpa. Algumas pessoas se rebelam contra os outros, tornando-se revoltadas.
Além desses fatores que afetam quem sofre de rinite, a causa metafísica do problema está no desejo de ser uma pessoa exemplar. Exige de si uma postura modelo perante aqueles que o cercam. Quer ser o melhor em tudo. Não se permite errar.
Costuma ser egocêntrico, deseja que tudo gire em torno de si e aspira ser o centro das atenções.
Existem algumas situações que propiciam o surgimento dessas condutas. Dentre elas se destaca o fato de ter sido o filho mais velho ou o filho único.
Na condição de filho mais velho, lhe é atribuída a responsabilidade sobre os irmãos. Isso costuma ser enfatizado pelos pais, com frases como: “Você não pode errar” e “Você tem que dar o exemplo para seus irmãos”.
No tocante a ser filho único, recai sobre ele a projeção dos pais de ser a chance do sucesso e da felicidade familiar. Geralmente os genitores insinuam que ele precisa ser o melhor entre os primos. Ao agirem assim, eles não percebem o mal que estão fazendo a seu filho. Projetar nele a oportunidade de obterem o reconhecimento por parte dos parentes reflete sua própria inadequação e inferioridade.
Vale lembrar que esses fatores influenciaram, porém não foram determinantes para que a pessoa se tornasse assim. Ela própria é a responsável por ter reagido desse modo frente às cobranças. Tudo que passou apenas reforçou nela a tendência a essa postura indevida que desencadeia a somatização da rinite.
Somente a própria pessoa pode avaliar o quanto sofre por essa atitude inadequada que assumiu na vida. Isso gera um excesso de expectativa, bem como uma sobrecarga de atividade, promovendo um grande desgaste físico e psíquico.
Para reverter esse processo é necessário mudar seus valores, abandonar certas crenças e deixar de se sentir o pivô das desditas alheias, como também parar com a mania de atribuir a si as melhores qualidades. Lembre-se: existe muita gente boa e até melhor do que você em certos aspectos, porém isso não deve fazê-lo sentir-se menor. Você é você e não precisa provar nada a ninguém. Apenas assuma essa postura de integridade e não dependa da aprovação dos outros.
Existem vários tipos de rinite, entre elas a aguda, a crônica e a alérgica. Cada uma delas tem uma peculiaridade física e metafísica, como segue.
Rinite aguda. E a manifestação habitual do resfriado comum. Em alguns casos os vírus causam a coriza comumente interpretada como o início de um resfriado; em outros, a rinite aguda é desencadeada por reações alérgicas.
O que caracteriza a postura interna da pessoa que desenvolve a rinite aguda são os pequenos machucados provenientes de seu meio, que geram crenças estereotipadas. Por exemplo: uma criança que presencia muitas discussões entre os pais ou irmãos pode desenvolver a crença de que a vida conjugal ou familiar é um constante atrito. Assim, quando ela vir a ter relacionamento afetivo, ou mesmo quando for constituir sua própria vida conjugai, desenvolverá os mesmos comportamentos dos pais, pois essa é a bagagem vinda da infância.
Outra situação muito comum na manifestação dessa rinite está relacionada à vida profissional. Ao sentir-se traída, a pessoa fica traumatizada. Quando começa a trabalhar numa nova empresa, fica alerta e desconfiada com os colegas. Para ela, a aproximação dos outros é encarada como uma “jogada” para prejudicá-la. Nessa fase, pode-se desenvolver a rinite aguda.
Rinite crônica. Provoca obstrução nasal com secreção muco-purulenta. Apresenta atrofia da mucosa e formação de crostas exalando mau cheiro. Outras causas da rinite crônica são a sinusite purulenta e o desvio do septo nasal.
Toda doença crônica está relacionada à persistência no padrão metafísico causador daquela disfunção orgânica. Assim sendo, a rinite crônica demonstra rigidez. A pessoa teima em manter as mesmas crenças desenvolvidas ao longo da vida. Não tem muita vontade de se relacionar com os outros, como se já estivesse cansada de ficar em constante alerta ao que pode acontecer no ambiente. O mau cheiro provocado por esse tipo de rinite demonstra o desejo inconsciente de distanciar os outros, ou ainda de se poupar das intrigas.
Rinite alérgica. E decorrente da união de um alérgeno do anticorpo específico na mucosa nasal, liberando substâncias que geram o aumento na produção de muco, inchaço da mucosa e vasodilatação. Clinicamente se observam obstrução, prurido e corrimento nasal, acompanhados de espirros, ronco e respiração bucal.
O principal alérgeno é o pó domiciliar. Raramente pêlos de animais e esporos de fungos são desencadeadores de crises alérgicas. Fatores externos, como mudanças bruscas de temperatura, poluentes, fumo e álcool, são agressões da mucosa respiratória, podendo agravar o quadro. O mecanismo de hipersensibilidade a esses alérgenos resulta na liberação de substância que estimula a produção de anticorpos.
No âmbito metafísico, toda alergia está relacionada a um estado de alerta às situações que se relacionam ao fator alérgeno. No caso da rinite alérgica, revela-se uma mania de perseguição que desencadeia na pessoa um constante estado de alerta ao que pode acontecer à sua volta. Toda a sua capacidade para solucionar prováveis contratempos é negada. Desse modo, os conflitos internos sobrepõem seu poder de agir diante das situações, fazendo-a sentir-se impotente.
Algumas características de comportamentos que você vem alimentando intensificam sua vulnerabilidade à manifestação da rinite alérgica, tais como: manter suas emoções bloqueadas, não expressar livremente o que sente, ficar retraído perante os outros e agir contrariamente às suas idéias. Tudo isso acentua ainda mais a insegurança e o medo em relação ao futuro ou ao desfecho de uma situação.

Trecho extraído do livro Metafísica da Saúde – volume 1, de Valcapelli & Gasparetto

Categorias
Blog Metafísica da Saúde

Fenômenos da Respiração e sua explicação Metafísica e Emocional – SOLUÇO

ANSIEDADE E MEDO DO DESFECHO DE UMA SITUAÇÃO

O soluço é uma resposta anormal que não serve a nenhum propósito útil conhecido para o corpo. O soluço é uma inspiração rápida e involuntária causada pela contração espasmódica do diafragma (músculo responsável pelo mecanismo da respiração).
Metafisicamente o soluço é um medo juntamente com a ansiedade que surge quando se está diante de uma situação difícil de lidar. Pode ser um assunto que se inicia na mesa durante a refeição. Ao imaginar o rumo da conversa, você começa a soluçar, expressando por meio do soluço seu desejo de encerrar o assunto ou mudar o rumo da conversa antes que toquem nos pontos que lhe são cruciais.
Como o soluço se manifesta no diafragma, que mantém o ritmo respiratório e corresponde na metafísica à absorção e expressão da vida, é exatamente nele que se refletem o medo, a ansiedade ou a pressa em se colocar na situação. Isso provoca uma tensão nesse músculo, causando os espasmos típicos do soluço.
Ele pode ocorrer num momento em que você estiver sozinho, só pensando. Nesse caso, o que provoca o estado de medo ansioso são seus próprios pensamentos. Quando você está pensando em coisas que o deixam apavorado, começa a sentir uma agitação interior e quer parar de pensar naquilo. Tenta imaginar outras coisas, mas não consegue. Se você permanecer assim por algum tempo, isso pode causar o soluço.

Trecho extraído do livro Metafísica da Saúde – volume 1, de Valcapelli & Gasparetto

Categorias
Blog Metafísica da Saúde

Fenômenos da Respiração e sua explicação Metafísica e Emocional – RONCO

TEIMOSIA – NÃO ABRIR MÃO DE SEUS VALORES OU PONTOS DE VISTA

O ronco é decorrente da vibração do ar ao passar pelos brônquios e traquéia, com secreção.
No âmbito metafísico, a pessoa que ronca permanece presa às velhas crenças. Insiste em mantê-las, criando argumentos para convencer os outros de que está com a razão. Não se trata apenas de um teimoso, mas alguém que julga ser dono da verdade.
O ronco pode se manifestar em qualquer idade. Até os jovens que fazem questão de impor seus pontos de vista a qualquer custo também roncam.
É complicado conversar sobre determinados assuntos com alguém que apresente esse perfil, pois ele quer ter sempre razão, não se abre para um diálogo consciencioso.
Além da teimosia e da inflexibilidade no diálogo, as pessoas que roncam geralmente são controladoras. Na insistência de manter o poder ou defender seu ponto de vista, não relaxam nem para dormir. Durante o sono mantêm registrada uma mensagem no subconsciente: “Preciso dormir, descansar, mas não posso largar mão da situação nem amolecer perante os outros”. Tudo isso provoca uma tensão que estimula a secreção na traquéia e brônquios, ou forma uma pequena saliência, causando o ronco.
A vibração causada no palato identifica bem a dificuldade de moldar-se aos fatos do cotidiano, que não correspondem ao modelo ideal de vida que traz consigo. Sua atitude endurecida na distinção entre o que gostaria e a realidade dos fatos é que estimula a secreção na região da garganta durante o sono, fazendo vibrar o palato e provocando o sonido desagradável do ronco.

Trecho extraído do livro Metafísica da Saúde – volume 1, de Valcapelli & Gasparetto

Categorias
Blog Metafísica da Saúde

Fenômenos da Respiração e sua explicação Metafísica e Emocional – BOCEJO

MOBILIZAÇÃO ORGÂNICA PARA REFAZER-SE DO DESGASTE FÍSICO OU DA PERDA ENERGÉTICA – DESPRENDIMENTO DA NEGATIVIDADE AGREGADA

O bocejo aumenta a ventilação pulmonar, favorecendo o processo de troca gasosa. Na respiração normal, aparentemente nem todos os alvéolos dos pulmões são ventilados igualmente, alguns periodicamente se fecham e são abertos pela longa e profunda inspiração do bocejo.
Segundo a filosofia hindu, na molécula de oxigênio encontra-se agregada uma importante energia vital chamada prana”. Desse modo, o bocejo, que promove a “hiperventilação” pulmonar e maior absorção do ar inspirado, além de ser um importante mecanismo do corpo para repor as energias consumidas pelo esforço físico, também promove a captação energética e o desprendimento da negatividade agregada.
Quando nos encontramos cansados, após um longo dia de atividades, o organismo reage com o bocejo. Nesse caso ele é um sinal de que precisamos dormir para repor as energias consumidas no trabalho.
Algumas vezes bocejamos sem estarmos desgastados pelo esforço físico. Não são apenas as atividades que absorvem nossa energia. Podemos doar energia a uma pessoa doente, ou ainda ser sugados por alguém que se encontre com baixa vitalidade. Quando isso acontece, esse mecanismo de recarga é imediatamente acionado.
Doar energia para alguém adoecido é um gesto saudável. O doente está em conflito e num emaranhado psíquico, e ele não consegue por si só repor as energias necessárias para o restabelecimento de sua saúde e vitalidade.
No entanto, dar abertura para ser sugado energeticamente por alguém é ficar descompensado das forças necessárias para a realização de seus afazeres. Desprender energias para terceiros não vai resolver a condição deles; pode, sim, comprometer sua atuação na vida.
A baixa energética que você sofre por ter sido sugado reduz sua intensidade de atuação na vida. O empenho nas atividades é reduzido, e conseqüentemente seu aproveitamento é menor do que se você usasse todas as suas forças em prol de seus objetivos. Nesse caso, obteria melhores resultados do que permitir que os outros levem parte de suas energias sem pedir licença.
Isso ocorre porque nos identificamos com o problema dos outros. Mesmo nada podendo fazer, ficamos preocupados com a condição alheia e queremos de alguma forma ajudar. Essa postura, além de causar desgaste psíquico, abre os canais energéticos por onde se esvaem nossas forças. Queremos tanto colaborar que ficamos displicentes para com as nossas próprias coisas.
Essa atitude demonstra que damos mais importância aos outros do que a nós mesmos. O que nos leva a isso é a baixa estima e falta de amor-próprio. Quem se ama cuida de si e preserva a vitalidade, não fica envolvido com os problemas dos outros a ponto de esquecer os próprios desafios e comprometer seus afazeres.
Não aja de forma a beneficiar os outros e prejudicar a si. Não adianta ser bom para as pessoas e displicente para consigo. Desse modo, você não estará ajudando, mas sim se atrapalhando. A vida proporcionou-lhe condições físicas e energéticas, saiba aproveitá-las bem. Não permita que suas baterias energéticas sejam freqüentemente descarregadas. Quem pode estar precisando de você, nesse momento, é você mesmo.

Trecho extraído do livro Metafísica da Saúde – volume 1, de Valcapelli & Gasparetto

Categorias
Blog Metafísica da Saúde

Fenômenos da Respiração e sua explicação Metafísica e Emocional – ESPIRRO

IMPULSO DE DEFESA CONTRA IDÉIAS OU ENERGIAS NEGATIVAS

O espirro pode ser descrito como uma espécie de tosse, que ocorre nas vias respiratórias superiores. Ele tem a finalidade de limpar a passagem do ar na região do nariz.
Essa região é sensível à identificação das substâncias absorvidas pelo ar. O organismo reage prontamente às invasões de vírus, bactérias e resíduos inalados. A primeira reação orgânica a essas interferências é o espirro.
Do mesmo modo, quando você está diante de pessoas negativas, e essas energias nocivas começam a envolvê-lo provocando um desconforto, ocorre uma predisposição metafísica ao espirro. Como o ponto de vista dos outros é completamente contrário ao seu e pode causar confusão interior, o sistema de defesa reage para expulsar essa sensação desagradável por meio do espirro.
Assim, portanto, o ato de espirrar representa um mecanismo de defesa, não somente de substâncias inaladas, mas também contra idéias, conceitos ou energias negativas que nos afetam, oriundas do ambiente, de nossa própria mente, das esferas extrafísicas ou do mundo espiritual.
Vamos compreender melhor cada um desses aspectos que nos afetam energeticamente.
No tocante às forças nocivas que procedem do ambiente, elas partem da matéria ao redor. Nos objetos são impregnadas as energias dos acontecimentos que os envolveram. Nosso contato com eles pode acionar o espirro. Nesse caso, o corpo sinaliza que estamos sendo envolvidos pelas forças negativas. Uma circunstância que expressa isso ocorre quando estamos mexendo em peças antigas ou em papéis velhos, e somos acometidos por espirros. Se não tivermos um histórico de alergia a pó, prevalece a causa metafísica desse sintoma: é a repulsa às energias existentes naquele material.
O mesmo ocorre se estivermos sendo bombardeados pelos pensamentos dos outros com intenções destrutivas, ou, como são conhecidos popularmente, “olho gordo” e “mau-olhado”. Quando isso acontece, acionamos nosso mecanismo de defesa e subitamente começamos a espirrar. Mesmo não tomando consciência desse ataque energético, nossa reação defensiva é acionada pelos níveis inconscientes.
O espirro pode ser acionado também por nossa própria mente. Ao imaginarmos situações negativas e começarmos a ser contagiados por elas, o organismo pode reagir com espirros. Infelizmente, o corpo não avisa todas as vezes que entra’ mos nas ondas de negatividade. Se fosse assim, espirraríamos com mais freqüência e não cultivaríamos pensamentos nocivos por tanto tempo.
Por fim, existem as interferências energéticas provenientes da esfera extrafísica. Estas afetam mais as pessoas que têm uma sensibilidade aguçada. Elas podem manifestar crises de espirros quando estão sendo assediadas por entidades espirituais maléficas. Assim que essas forças invadirem sua aura, suas defesas energéticas são acionadas e o corpo pode responder em forma de espirro, demonstrando a repulsa pelo que está captando.
Como podemos perceber, são tantas as condições metafísicas que levam a uma crise aguda de espirro que se torna difícil identificar a procedência dos conteúdos negativos que estão nos atingindo na hora do espirro. Assim, portanto, se você tiver vontade de espirrar, faça uso desse impulso físico, espirre, para intensificar o propósito de eliminar a negatividade.
Algumas pessoas têm o hábito de segurar o espirro. Isso revela uma dificuldade de se posicionar a seu favor. Quando estão sendo criticadas, elas não conseguem revidar as acusações, ficam caladas. De certa forma a educação formal induz esse comportamento. Ser sincero, falar as verdades, defender-se prontamente não são procedimentos simpáticos ao formalismo.
Para manter a saúde e o bem-estar é necessário administrar seus impulsos e não os reprimir.

Trecho extraído do livro Metafísica da Saúde – volume 1, de Valcapelli & Gasparetto